top of page

Diário De De.Composição #3


Querido diário hoje o dia foi esplendido exatamente como dizia meu horoscopo, tudo tem fluido igual a uma cachoeira de chorume, as pessoas tem empatia real, o big brother logo começa e o capitalismo falhou, falha e falhara, eita, esse é um projeto que visa ter uma ordem cronológica, então, se você perdeu as partes anteriores pare, volte e leia na sequência, te enganei né telespectador? Ah senhor juiz, só lembrando que essa é uma obra de ficção real.

Redenção, assim como meu velho controle de Playstation que não funcionava a anos e estava prestes a virar algum tipo de enfeite na minha mobília, e voltou a funcionar, o lanche daquela noite se redimiu, excluindo por completo a desgraça que foi o seu antecessor, aquele do molho branco com mato, mato esse que fui descobrir ser hortelã, esse não, esse estava magnifico e bem feito, com muito recheio e sabor, então assim incluiu com mérito mais um adesivo no meu cartão de fidelidade, com mais cinco eu ganho um lanche inteiramente grátis.

Antes de dormir eu assisti Adão Negro, bem chato e sem muita graça, fiquei permeando entre alguns pensamentos e pescadas, não ter uma cozinha está saindo mais complicado na pratica que na teoria, pescada, esse The Rock é muito ruim, pescada, preciso ir ver os meus velhos, pescada, ao menos esse diabão é legal, fim de filme eu apago. Acordo com o barulho da chuva, puta merda eu não tenho um guarda-chuva, abro o aplicativo do banco pra ver se tenho grana para pedir um Uber, fico puto pensando que numa hora dessas o patrão deve estar num iate cheirando cocaína nas coxas de uma puta, peço o carro e vou para o trabalho afinal cocaína e putas não dão em arvores, algumas ate dão mas isso não vem ao caso.

O plantão passa correndo e eu volto correndo pra casa, dias chuvosos são os meus preferidos, nada de sol e pouco calor, me permito até a ter preguiça e dormir um pouco, acordando peço uma marmita naquele restaurante e sorveteria que era uma locadora de vídeo, que por sinal foi a melhor da cidade por muito tempo e que aos poucos foi falecendo como todas as outras, as estandes e seus DVDs foram substituídos por geladeiras e paletas mexicanas, a comida é bem boa mas ainda preferiria que fosse só uma locadora, eu amava locadoras, lembro uma vez que meu pai pegou uns dez VHS e perguntou pro atendente quais eram legendados, todos respondeu o rapaz, então não vou levar nenhum retrucou meu pai com sua ignorância costumeira, desse dia em diante tive ódio de filmes legendados mas esse ódio durou pouco, ate eu preferir filmes na sua língua original e a ter interesse em aprender novos idiomas.

É preciso endurecer, mas sem jamais perder a ternura. Dizem que essa frase é do Che, será que ele estava num dilema entre trepar ou fazer amor? Não saberemos mas eu quis incluir ela aqui pra dar seguimento na minha doutrinação comunista através desses textos ruins e sem nexo, textos esses que quem acredita em doutrinação sequer vai ler, eles não leem, e sim estou só enchendo a linguiça pois meus dias andam demasiadamente pacatos e cheios de eventos tão relevantes que não são dignos de uma simples nota.


Este texto é de responsabilidade do autor/da autora.

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Amor Tóxico

Não consigo ficar um dia longe de você. Eu tento me distanciar mas a falta que você me faz esmaga meu peito, pensei que com você longe a irritação seria maior quando o que mais incomoda é a tristeza,

A Solidão do Eco

No outro extremo da mesma rua silenciosa vivia um velhinho chamado Sr. Artur. Ele era um homem simpático, com um sorriso acolhedor e olhos brilhantes, mas também carregava consigo um passado marcado p

O Eco da Solidão

Havia uma rua silenciosa na pequena cidade que, mesmo banhada pela luz do sol, parecia estar mergulhada em uma eterna penumbra. Era ali que Dona Elisa vivia, envelhecendo junto com a casa de paredes d

Comments


bottom of page