O cinema de Kurosawa

O cinema oriental reflete de forma bastante vívida a cultura daquele lado do mundo, para nós tão distante. O cinema chinês é vigoroso, em grande parte controlado pelo estado. O indiano tem Bollywood e é o país que mais produz filmes no mundo. O cinema do Japão é bastante sensível e, em geral, muito bonito.


Chapeuzinho e óculos escuros: o visual de Kurosawa

De todos, Akira Kurosawa é, provavelmente, o diretor que mais influenciou o cinema ocidental. Idolatrado por cineastas como George Lucas e Francis Ford Coppola, Kurosawa tem uma produção muito sólida ao longo de mais de 4 décadas.

Kurosawa recriou, usou e abusou do período feudal do Japão, a era dos samurais. Muitos de seus filmes têm como personagens essas figuras quase mitológicas envoltas em mistério, os samurais. O diretor japonês criou sequências de ação revolucionárias para sua época, amplamente copiadas e adaptadas por cineastas do Ocidente.


Sete samurais

Outra característica muito própria de Kurosawa era as adaptações que fazia de obras de Shakespeare, Dostoiévski e outros autores, transportando essas histórias para cenários do Japão feudal. Shakespeare o deu Ran, baseado em Rei Lear, e Trono Manchado de Sangue é inspirado em MacBeth. De Dostoiévski veio a inspiração para O Idiota, de seu livro homônimo.


Shakespeare no Japão feudal

Não há dúvidas de que Kurosawa é um dos grandes diretores da história do cinema, mesmo não sendo muito fácil encontrar seus filmes por aí. Se você não teve ainda a oportunidade de assistir algo dele, aproveite o acervo do Cineclube Gengibirra para isso. Assim que a Casa Eliseu Voronkoff reabrir, quando a pandemia do novo coronavírus der uma folga para nós, dê um pulinho lá na Casa. São nada menos do que sete filmes de Kurosawa em nossas prateleiras!

37 visualizações

(41) 3031-5355

Rua Julieta Vidal Ozório, 413 - Centro, Araucária - PR, 83702-060, Brazil 
CNPJ 29.801.135/0001-38
F D D Pesquisa e Produção Artística Ltda

©2019 by Casa Eliseu Voronkoff.